Busca por Ônibus em Florianópolis



 Buscar  
 Buscar

Parceiros:


  
Everbike

MObfloripa | Guia

FITZZ | e-bikes

PLAMUS

MIX Rocha


MobFloripa: Mobilidade e Acessibilidade na volta às aulas







Data:

18/02/2010

Fonte:


Fonte da imagem:


TAGs:


Editoria:



Atualização:



 

imprimir artigo



 

enviar por e-mail



Share/Bookmark

Leia também...

* Manual bem humorado dos privilegiados auditivos



* Magrelas, gratuitas e eficientes em Brasília



* ALTERAÇÕES na linha 1412 - Campinas Kobrasol - Executivo VIP



* Linhas de Canasvieiras recebem alterações em outubro



* Trânsito do Centro da Capital sofre alterações nesta segunda quinzena de outubro.





Com o objetivo de fornecer informações aos pais e alunos da rede de ensino de Florianópolis, o MobFloripa preparou uma reportagem especial sobre mobilidade, trânsito e acessibilidade na volta às aulas.


Nossa equipe entrou em contato com as secretarias municipal e estadual de Educação e as escolas particulares da Capital. A seguir apresentamos as informações fornecidas pelos órgãos governamentais e pelas escolas Autonomia e Escola da Ilha. As demais escolas contatadas não retornaram a tempo com informações à Redação.

Volta às aulas

Na rede municipal de ensino de Florianópolis as aulas iniciaram no dia 10 de fevereiro em escolas, creches, núcleos de educação infantil (NEIs) e núcleos de educação de jovens e adultos (EJA). Este ano, na Educação Infantil, serão atendidas 10.334 crianças em 78 unidades, sendo 6.804 no período integral, das 7h às 19h, e 3.530 em período parcial. Já no Ensino Fundamental, que possui 36 unidades, foram realizadas 11.505 rematrículas e 3.049 novas matrículas.

Na escola Autonomia as aulas retornaram na quinta-feira, 18, para seus 770 alunos. Na Escola da Ilha, com 420 alunos, o retorno será no dia 22 de fevereiro, segunda-feira.

Na rede estadual, as aulas iniciaram quarta-feira, dia 17 de fevereiro, com calendário unificado em todo o Estado. O ano letivo para os 665.777 estudantes começou com a distribuição, nos primeiros dias, dos novos uniformes e kits de material didático ecologicamente correto. Um grande contingente de estudantes é aguardado pelos 39.226 educadores que atuam nas diversos níveis de ensino (fundamental, médio, profissional e de jovens e adultos).

Prevenção de engarrafamentos e acidentes no acesso à escola

A prefeitura aplica o programa "educação de trânsito", desenvolvido em conjunto com a Guarda Municipal, com distribuição de cartilhas com o Monatran - Movimento Nacional de Educação no Trânsito. O manual, com 30 páginas, traz trechos das legislações específicas, informações importantes sobre direitos e deveres relacionados aos idosos e às pessoas com deficiência, bem como dicas sobre os tipos de deficiência e de como relacionar-se com essas pessoas.

O acesso às escolas municipais e estaduais costuma ser menos congestionado do que nas escolas particulares. Isto se deve ao fato de que grande parte dos estudantes da rede pública mora nas cercanias das escolas, realizando o trajeto diariamente a pé ou de bicicleta. Os estudantes que moram em bairros distantes de sua escola utilizam, em sua maioria, a rede de transportes públicos.

Já na rede particular, a realidade é outra. A quantidade de veículos particulares utilizados é bem maior, levando aos engarrafamentos em suas vias de acesso principal. Em função disso, a Escola da Ilha aconselha aos pais a virem a pé, quando moram perto da Escola ou a utilizarem os meios de transporte coletivo. Para aqueles que vêm de carro, a escola sugere que procurem estacionar nas ruas adjacentes, para evitar os congestionamentos na entrada e saída dos alunos. A Escola da Ilha tem um estacionamento dimensionado para o número atual de alunos, e quatro vagas de embarque e desembarque, conforme as exigências da Prefeitura.

A Escola Autonomia costuma oferecer orientações, durante a Reunião de Acolhida aos Pais que antecede ao início das aulas, sobre os portões de acesso, os locais adequados para manobras e os locais corretos para se entrar e sair de carro. Segundo a Coordenadora de Comunicação, Ana Paula Rosa Querne, "muitas são as medidas que tomamos para facilitar o trânsito. Além da conversa de orientação com os pais, pedimos também paciência, uma vez que nos primeiros dias (como a maioria traz seu filho de carro) o transito é intenso, o estacionamento fica lotado, a rodovia de acesso fica engarrafada... Também enviamos a todos os pais uma correspondência com informações e orientação". A principal medida a ser respeitada para facilitar o trânsito é que o acesso à escola Autonomia deve ser feito pela Rua Salvatina Feliciana dos Santos, localizado entre a FIESC e a WR-DESIGN (antiga LUMINAR). Isto já evita o congestionamento na via principal do Itacorubi.

Uma idéia interessante defendida pela direção da escola Autonomia é a carona compartilhada: "é uma prática dos pais que sem dúvida contribui muito para a melhoria do trânsito. Aqui na Escola Autonomia é muito comum famílias que moram próximas dividirem caronas", afirma Paula.

Inovações para melhorar a mobilidade e a acessibilidade para portadores de necessidades especiais

A cada ano as escolas de Florianópolis trazem melhorias no acesso, mobilidade e acessibilidade. Segundo a Secretaria de Educação do Município, "todas as obras ultimamente executadas nas unidades educativas municipais têm sido contempladas com elementos de acessibilidade, tais como rampas de acesso, portas com metragem adequada à passagem de cadeirantes, corrimãos, banheiros adaptados, pisos podotáteis, entre outros, sendo que os projetos das unidades novas vêm observando as exigências legais de acessibilidade".

É o caso das unidades recém construídas, como a Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes - Campeche, Escola Básica João Gonçalves Pinheiro - Rio Tavares, Escola Desdobrada Adotiva Liberato Valentin - Costeira do Pirajubaé, Núcleo de Educação Infantil Armação do Pântano do Sul e Núcleo de Educação Infantil Ingleses, bem como a Creche do Rio Vermelho e a Escola Básica dos Ingleses, ambas em construção.

Já com relação aos prédios existentes, várias ações têm sido desenvolvidas, com o intuito de suprir ou pelo menos amenizar a falta de condições de acesso dos cidadãos a todos os ambientes educativos.

Nesse sentido, em convênio com o Ministério da Educação, a Creche Vila Cachoeira, do Saco Grande, a Escola Básica Mâncio Costa, de Ratones, e a Escola Desdobrada Adotiva Liberato Valentim, da Costeira do Pirajubaé, foram contempladas com a construção de acessos rampeados, instalação de corrimãos, pisos e faixas-guia e a Escola Básica Almirante Carvalhal, de Coqueiros, com banheiro adaptado. E nas intervenções realizadas e em realização com recursos próprios, o Núcleo de Educação Infantil Raul Francisco Lisboa, de Santo Antônio de Lisboa, recebeu rampa de acesso e banheiro adaptado e a Escola Básica Beatriz de Souza Brito, do Pantanal, ampla rampa de acesso.

Em alguns casos, para atender situações em que não há possibilidade de rampas de acesso, estão sendo instalados elevadores para acesso ao pavimento superior. É o caso da Escola Básica Antônio Paschoal Apóstolo, do Distrito de Rio Vermelho, onde a instalação do elevador foi objeto de financiamento do Governo Federal, através do MEC/FNDE. Também serão instalados elevadores nas escolas Osvaldo Galupo, do Morro do Horácio, José do Valle Pereira, do bairro João Paulo e Anísio Teixeira, da Costeira do Pirajubaé, que se encontram em obras de reforma e ampliação.

Atualmente, encontra-se em execução, em ação conjunta com a assessoria da Universidade Federal de Santa Catarina e a empresa Arquidesc, autora dos projetos, intervenções em 10 escolas, como parte do programa Escola Acessível, através do qual o governo Federal repassa dinheiro diretamente às unidades escolares, para execução de obras de acessibilidade.

O Assessor de Comunicação da Secretaria Municipal de Educação, Ricardo Medeiros, comenta: "Entendemos que todos esses procedimentos, mais do que mera observância às referidas normas, retratam a postura política do Município em garantir, ainda que paulatinamente, os requisitos de acessibilidade aos espaços públicos para pessoas com deficiência."

As escolas particulares Autonomia e Escola da Ilha têm rampas de acesso para deficientes, conforme exigido em lei, mas não prometem novidades no âmbito da mobilidade e da acessibilidade para 2010.

Bicicletários

Embora não seja uma norma, aproximadamente 68% das unidades escolares municipais de ensino fundamental dispõem de bicicletários em suas dependências. As escolas recebem anualmente recursos descentralizados, provenientes das esferas federal e municipal de governo, que podem ser aplicados em equipamentos do gênero. Desse modo, nas unidades que ainda não possuem o bicicletário, por certo não foi constatada a necessidade.

A Escola da Ilha e a Escola Autonomia oferecem um estacionamento para bicicletas para alunos e professores que adotam este meio de transporte.

FONTE: redação MobFloripa

Acesse no link abaixo a seção TRANSPORTE ESCOLAR do MobFloripa.